Dossiê Periferia

Imagem

A série Dossiê Periferia foi ao ar pela TV Cultura em 2005. Produzida por meio de parceria entre a emissora, o CEM e a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), as matérias em vídeo apresentam aspectos sociais, econômicos e culturais da Grande São Paulo, de acordo com as pesquisas realizadas pelo Centro de Estudos da Metrópole e a Fundação Seade.

Clique nos links abaixo para assistir às matérias. Os vídeos estão no formato.wmv e são melhor visualizados no software Windows Media Player. Se precisar, faça o download do software.

Equipe TV Cultura: Mônica Teixeira e Leandro Fernandez

Equipe CEM: Tatiana Lotierzo

Vídeos:

Periferia, para além do espaço

Imagem

A matéria de abertura da série Dossiê Periferia busca uma definição para a palavra: periferia é o que está afastado do Centro? É o lugar da pobreza? A pobreza está só na periferia? A reportagem acompanhou o sociólogo Eduardo Marques até a Vila Areião, no ABC, e mostra as conclusões a que chegaram os pesquisadores do CEM a partir de um conjunto de estudos: quem tem a mesma renda vive melhor ou pior de acordo com o lugar onde vive.

Assista ao vídeo da matéria Periferia, para além do espaço.

 

Pobreza, um fenômeno heterogêneo

Imagem

A pobreza não é homogênea e assume diferentes formas de acordo com uma série de fatores. Desta vez, a reportagem da TV Cultura acompanhou o pesquisador Tiaraju D'Andrea até os bairros de Paraisópolis e Vila Nova Esperança, revelando as diferenças entre os tipos de pobreza nas duas regiões. Na favela de Paraisópolis, vive-se melhor. A maioria dos moradores tem emprego, justamente por essa região estar próxima de áreas mais ricas da metrópole. Há infra-estrutura urbana e ação de ONGs. Na Vila Nova Esperança, mais isolada geograficamente das áreas mais ricas, muitos desistem de trabalhar por conta da distância. Falta luz, água e atenção do setor público e do terceiro setor.

Assista ao vídeo da matéria Pobreza, um fenômeno heterogêneo.

 

Pesquisa, transferência, difusão

Imagem

Após acompanhar pesquisadores do CEM por alguns locais da periferia de São Paulo, a terceira matéria da série mostra como é a rotina de trabalho dos pesquisadores. Entre trabalhos de campo, seminários, publicação de livros, desenvolvimento de bases de dados e outras atividades, os cerca de 30 pesquisadores se desdobram para entender como funciona a vida na metrópole.

Assista ao vídeo da matéria Pesquisa, transferência, difusão.

 

Os novos contornos do desemprego

Imagem

O desemprego faz parte da vida dos brasileiros. Se nos anos 80, em São Paulo, as taxas de desemprego oscilavam em torno dos 10%, entre períodos de crise e recuperação da economia, nos anos 90 a taxa de desemprego chegou a 20% e se estagnou. Para a pesquisadora Nadya Araújo Guimarães, houve uma mudança de face no mercado de trabalho. Há maior trânsito entre ocupações, mais informalidade e alguns grupos mais vulneráveis ao desemprego – os mais jovens e os mais velhos.

Assista ao vídeo da matéria Os novos contornos do desemprego.

 

A fé em movimento

Imagem

Não só o mercado de trabalho é lugar de trânsito intenso. Também a religião se revela cada vez menos institucionalizada e mais individualizada, em particular nas regiões mais pobres. A reportagem acompanha o antropólogo Ronaldo de Almeida até Chácara Bananal, na divisa entre São Paulo e Embu, que comenta o processo de transformação no campo religioso ocorrido nos últimos 30 anos, e revela a grande circulação de fiéis entre igrejas e uma mudança na maneira de acreditar em Deus.

Assista ao vídeo da matéria A fé em movimento.

Licença Creative Commons
Este site do Centro de Estudos da Metrópole está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://centrodametropole.org.br/