Favelas e Loteamentos irregulares no Município de São Paulo

Parceria entre o Centro de Estudos da Metrópole (CEM/Cepid) e a Secretaria Municipal de Habitação (Sehab)/PMSP  atualiza dados sobre Favelas e Loteamentos irregulares no Município de São Paulo

Dados de 2010 revelam que 11% da população paulistana vive em favelas

 

O trabalho feito em 2016 realizou a quantificação e estimativa dos moradores de favelas e loteamentos irregulares de São Paulo no período de 2000 a 2010 no Município de São Paulo (MSP), sendo detectado de modo geral que nesse período as condições sociais e urbanas melhoraram, apesar do acesso a redes de esgotos ainda se constituir no indicador mais precário. Apesar da melhora, persistem grandes desigualdades de acesso a serviços entre as favelas e o conjunto da cidade, inclusive considerando os poucos indicadores de qualidade existentes, tais como: como acesso a rede de eletricidade com medidor individual e coleta de lixo com coleta porta-a-porta.

O estudo coordenado por Eduardo Cesar Marques, pesquisador do CEM/Cepid para a Sehab/PMSP constituiu-se em duas fases: 1) acerto e conserto das cartografias existentes de favelas e loteamentos de forma a viabilizar a produção de estatísticas (sem fins cadastrais) e 2) de estimativa dos domicílios (e pessoas) em favelas e loteamentos clandestinos e irregulares de baixa renda (renda média do responsável inferior a 3 SM) e caracterização social dos moradores e suas condições sociais.

Dadas essas condições, produziram-se tipologias de favelas e loteamentos, gerando quatro tipos de favelas e dois de loteamentos. Ao final, o estudo produziu projeções populacionais para os anos de 2020, 2024, 2028 e 2032.

Alguns destaques da pesquisa:

  •          361.831 domicílios e 1.307.152 pessoas em 2.098 favelas no ano de 2010, densidade de 391 hab/ha, 11,6% do MSP
  •          291.983 domicílios e 1.172.043 pessoas em 2.018 favelas no ano de 2000, densidade de 413 hab/ha, 11,2% do MSP
  •        A taxa de crescimento anual da população que vive em favelas foi de 1,1%  contra a média de 0,8% no município e de 2,2% dos domicílios em favelas, contra 1,9% da população em geral, no município.

Verificou-se heterogeneidade interna às favelas, entretanto, foram separados cinco grupos com características distintas. Entre eles os quatro primeiros têm condições entre boas e ótimas, mas um grupo com 84 favelas com condições muito precárias, sobretudo de infraestrutura.

Com relação aos loteamentos, foram encontrados 1.719.473 pessoas e 605.707 domicílios em 2010. As condições sociais e urbanas são intermediárias entre as favelas e o município. Foram encontrados dois tipos de loteamentos considerando estas condições, sendo o primeiro com infraestrutura quase completa e o segundo com loteamentos com acesso precário a esgotamento (com 244 loteamentos, no universo de de 1.559).

Créditos CEM/Cepid:

Coordenação: Eduardo Cesar Leão Marques

Camila Saraiva

Daniel Waldvogel Thomé da Silva

José Donizete Cazzolato

Stefano Pagin

Edgard Fusaro

Marcelo Pitta

Divulgação e capa: Ximena León Contrera

 

Créditos Sehab/PMSP:

Coordenação PMH: Taís Jamra Tsukumo e Letícia Moreira Sigolo

Assessoria técnica PMH: Amanda de Almeida Ribeiro, Ana Teresa Siqueira de Carvalho  e  Carolina Rago Frignani

Coordenação HabitaSampa: André Gonçalves

Assessoria Técnica de Planejamento e Relações Institucionais:  Maria Lucia Salum D’Alessandro, Fernanda Pinheiro da Silva e Alexandra Aguiar Pedro

 

O levantamento completo pode ser baixado livremente no site do CEM, na área de Base de Dados (mediante cadastro) e Estudos de Transferência.



Licença Creative Commons
Este site do Centro de Estudos da Metrópole está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://centrodametropole.org.br/